Vereadora defende posto de emissão do certificado de imunização

Carla Lucena quer saber da possibilidade de instalar local para documento exigido em viagens

Publicado em: 06 de fevereiro de 2019

A vereadora Carla Furini de Lucena (PSDB) está buscando a instalação, em Nova Odessa, de um posto de emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), na Rede Municipal de Saúde. O documento atesta que a pessoa recebeu imunização contra várias doenças e é necessário para quem vai viajar para mais de 100 países pelo mundo.

A parlamentar elaborou requerimento no qual solicita informações da Prefeitura de Nova Odessa sobre a obtenção do CIVP na Rede Municipal de Saúde. Carla Lucena diz que foi procurada por munícipes que estão com viagem marcada para o Exterior e cujo destino exige a apresentação do documento que comprova a vacinação contra doenças, conforme definido no Regulamento Sanitário Internacional.

“Essas pessoas alegam que não conseguiram obter o certificado”, explica a vereadora. Segundo ela, os cidadãos procuraram o serviço nos municípios de Americana, Santa Bárbara d’Oeste, Sumaré e Hortolândia, mas foram informados que o documento é emitido apenas aos moradores destas cidades. Por esse motivo ela pede informações da possibilidade de implantação de unidade emissora no Município.

Na semana passada, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) lançou uma plataforma online para emissão do documento, exigido para a entrada em mais de 100 países. Dessa maneira, a população não precisará se deslocar até os postos emissores para conseguir o documento. “Mas não é todo mundo que tem habilidade e intimidade com a Internet, então é bom ter um posto físico também”, cita.

Na microrregião a qual Nova Odessa está inserida, há quatro postos na rede pública de saúde e um em clínica particular de vacinação. “Apenas aqui não tem ainda um local físico para emissão do documento”, explica Carla Lucena. O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia comprova a imunização contra diversas doenças, a depender do destino, mas principalmente contra a febre amarela.

A vereadora reforça que “ainda não foi divulgado, de forma clara, como vai ser essa emissão”. Além disso, segundo Carla Lucena, haveria diversas pessoas com dúvidas e dificuldades para o uso da emissão online. “É uma maneira de melhorar o acesso da população ao serviço público”, completa. O requerimento da vereadora foi aprovado na sessão da Câmara realizada na segunda-feira (4).


Publicado por: Câmara de Nova Odessa

Cadastre-se e receba notícias em seu email