Secretário afirma que Saúde não será terceirizada

Cocato e Faganello estiveram em reunião com vereadores na Câmara

Publicado em: 20 de abril de 2018

“A Saúde de Nova Odessa não será terceirizada”, afirmou o secretário de Saúde Vanderlei Cocato, em reunião com os vereadores, na última quarta-feira, dia 18, na Câmara de Nova Odessa. A reunião foi um pedido da presidente Carla Lucena (PSDB), para que o responsável pela pasta pudesse responder algumas dúvidas dos parlamentares, bem como a questão levantada pela oposição, sobre uma possível terceirização da Saúde Municipal.

Participaram também da reunião André Faganello, que assumiu interinamente a Secretaria de Saúde no período em que o Cocato esteve afastado, e os vereadores Sebastião Gomes dos Santos, o Tiãozinho do Klavin (MDB), Avelino Xavier Alves, o Poneis (PSDB), Claudio José Schooder, o Leitinho (PV) e Marineuza Lira, assessora parlamentar do vereador Nenê Réstio (MDB).


Cocato lamentou que os demais vereadores da oposição não estivessem presentes. “Eles fazem vídeos baseado em informações, algumas que até desconhecemos e, quando têm a oportunidade de conversar, esclarecer dúvidas e até fazer boas sugestões, não participam. É lamentável”, desabafou.


O vereador Leitinho, que questionou a questão da terceirização e também sobre a situação dos médicos concursados mensalistas que agora marcam ponto e precisam cumprir às 20 horas semanais trabalhadas ouviu os planos do secretário. “Gostei do que eles falaram, agora vamos aguardar as ações”.


Por uma determinação do MPF (Ministério Público Federal), médicos e dentistas que trabalham nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e no Hospital e Maternidade Municipal Dr. Acílio Carreon Garcia, deste o dia 29 de janeiro devem marcar a carga horária em ponto eletrônico.


“Estamos diariamente debruçados sobre estes problemas para buscar a melhor solução que é não perdermos os bons médicos que temos e, de uma forma justa cumprir com esta determinação do MPF. Em breve teremos um concurso público justo, com valor de salário e quantidade de horas semanais que caiba na carga horária dos médicos que prestam serviço para a Saúde municipal”, finalizou Cocato.

 


Publicado por: Assessoria de Imprensa

Cadastre-se e receba notícias em seu email